GAR01_ENT01photography © Lara Jacinto 
 .
“Uma viagem a Portugal durante duas semanas, com o objectivo de visitar explorações de pedra e barro, saibreiras, fornos de cal e oficinas cerâmicas, foi o ritual fundador da Skrei – Oficina de Arquitectura Integrada. Para Francisco Adão da Fonseca, arquitecto formado na Universidade de Delft, e Pedro Jervell, arquitecto formado na Architectural Association, foi um marco fundamental para o início do seu percurso, permitindo a ambos uma prospecção única numa realidade material, geológica e industrial complementada pelo contacto com os próprios artesãos, mestres dos fornos e das oficinas.”
 Pedro Baía in Jornal dos Arquitectos nº252 Jan-Abr 2015
 .
O relicário é um arquivo em desenvolvimento, formado por diversas amostras de solos portugueses, decantados em garrafas de vidro,  recolhidos ao longo de diversas expedições pelo país.
O relicário marca o encontro com as origens da habitabilidade, com os homens que existem em regime de reciprocidade e sustentação do meio, que trabalham com o solo que pisam, que conhecem os materiais na sua essência e as dinâmicas do seu ecossistema. Este registo marca também a tomada de contacto uma paisagem degenerada, em extinção, sustentada por pequenas indústrias extrativas com um fim à vista e por comunidades envelhecidas, desencontradas dos ímpetos da tecnologia moderna, e culturalmente estagnadas.
A oficina Skrei começou com com uma expedição que continua nos dias que correm, são momentos importantes na tomada de consciência sobre a diversidade do país, a riqueza dos seus recursos, o seu potencial de transformação e desenvolvimento.
Estas viagens exploratórias presidem ao trabalho da Skrei e por uma razão ou outra foram sendo preservadas em garrafas de vidro, cheias de água e de terra.